A logística dos camelódromos

Foto: Marco Aurélio Martins/Ag. A TARDE
foto

A logística dos camelódromos

 Albenísio Fonseca

 O mercado informal, aquele habitado por milhares de camelôs a ocupar as ruas do país com tabuleiros e estandes multicoloridos, tem entre suas mil e uma peculiaridades, uma impressionante logística a atravessar o dia-a-dia do comércio alternativo, em Salvador. Passando quase despercebido, o processo de exposição e guarda das mercadorias, nas ruas e calçadões, envolve “profissionais” encarregados de fazer a retirada dos produtos e conduzi-los para depósitos, e proceder à reposição no dia seguinte. Verdadeiras “mulas”, os carregadores dispõem de grandes carros-de-mão e transitam a partir das 6h e às 19h, início e final de “expediente”, conduzindo as barracas ou estandes e seus objetos de comércio.

A tabela de preços dessa logística envolve, o custo de R$ 1,50 a R$ 2,00 por cada carreto (ou seja, R$ 3,00 a R$ 4,00 ao dia). Para os que trabalham rápido e dispõem de carro com maior capacidade é possível a retirada e reposição dos conjuntos, inclusive de mais de uma barraca diariamente. Tudo, no máximo, envolvendo um raio de 300 metros até os depósitos, para agilizar o trabalho. Mas os camelôs têm, ainda, o dispêndio com a guarda dos seus produtos – de R$ 7,00, a R$ 15, incluído ou não o carregador, por semana – em depósitos localizados no largo Dois de Julho (mais precisamente na Rua do Sodré) e em espaços improvisados, transformados em espécie de almoxarifados, em torno da Barroquinha, e ao longo da avenida Sete de Setembro  (beco Maria Paz, rua 21 de abril), próximo ao Colégio Central, na avenida Joana Angélica, e rua Carlos Gomes. A maioria dos camelôs considera “caro” o custo dessa logística, mas a garantia da retirada e reposição das barracas e mercadorias mostra-se “muito benéfica” para a consolidação da rotina. Toda essa ação acaba embutida no preço dos produtos para o consumidor.

EMPRESÁRIOS SEM QUALQUER LABOR

Entre os “empresários” que oferecem depósitos, não apenas no sentido da estocagem, mas envolvendo a garantia da segurança das mercadorias, há quem estipule um faturamento, sem qualquer labor, em torno dos R$ 1.300 aos R$ 1.800, mensais, a depender da capacidade de armazenamento e do número de “clientes” atendidos. Edson dos Santos Silva, 42 anos, que herdou do pai a atividade de oferta de depósito para guarda de mercadorias, vem atuando há cinco anos na rua do Sodré. Ele diz ter “apenas umas 30 guias, cobro de  R$ 7 a R$ 15, por semana, mas muita gente deixa de pagar e ainda tenho que remunerar os carregadores cujo ganho é aumentado nos biscates, com transportes de geladeiras, fogões e outros produtos”. Ele contou que o pai “já explorava essa forma de depósitos há mais de 20 anos. Só fiz manter o sistema”.

Somam pouco mais de uma dezena os carregadores, se é mesmo possível quantificar este verdadeiro “exército de reserva”, remunerado de meio a um salário mínimo, e menos de uma dezena os que detêm o espaço para a estocagem das mercadorias e das barracas. A necessidade de manter um padrão mínimo de renda levou Rogério Santos, 29 anos, pai de dois filhos, de 4 e 8 anos, matriculados em escolas públicas, a trabalhar como carregador. Ele revela um faturamento de R$ 70 por semana, ou R$ 12, ao dia, enquanto faz o transporte de mercadorias da avenida Sete à rua do Sodré. Ele reside em São Marcos, o que o obriga ao gasto diário dos R$ 12, com transporte e alimentação.

Como Rogério, outros carregadores residem em bairros como Sussuarana, Alto de Cabritos e Coutos, distantes do local de trabalho. Roque Conceição dos Santos, 28 anos, um filho, mora no Centro. Ele é responsável pela recepção e entrega das mercadorias, cuida do depósito como diríamos de um almoxarife, e ganha R$ 300 por mês, mas além de pagar aluguel tem o gasto com refeições e lanches. Durante o dia, Conceição aumenta sua renda comercializando brinquedos e outras mercadorias oferecidas por “sacoleiros”, na avenida. “São produtos adquiridos, em média, por R$ 1, e vendidos por R$ 2”, disse. Ele reclama da ação da fiscalização da Secretaria de Serviços Públicos, mas diz que “é melhor estar correndo do Rapa do que não ter o que fazer, embora tenha dia que não conseguimos vender absolutamente nada”.

MAIS DE 900 AMBULANTES CLANDESTINOS

Vice-presidente da Associação dos Trabalhadores do Comércio Informale Serviços do Estado da Bahia – Assindinformal/Ba, Arismário Nunes Barreto, 38 anos, dois filhos, de 15 e 11 anos, mora na Estrada da Barreira, no Cabula, e trabalha desde os 20 anos como camelô. Antes, trabalhava com a venda de confecções na Baixa dos Sapateiros, agora tem um carrinho de churros no Relógio de São Pedro, avenida Sete. Barreto contou que “desde sempre” guarda suas mercadorias em depósitos. “Costumava pagar cerca de R$ 10, mas há dois anos aumentaram para uma média de R$ 12 a R$ 15”. Ele atribui essa majoração ao fato de existirem “poucos depósitos para a quantidade de camelôs atuantes”. E estipulou que, “somente na avenida Sete existem, hoje, algo em torno de 900 ambulantes clandestinos, que superam mais de mil no período de final de ano”. Segundo ele, “como o comércio de rua está liberado em Salvador, nessa administração, vêm vendedores de Fortaleza, Aracaju, Maceió e de inúmeras cidades do interior da Bahia para faturar com o grande movimento de consumidores”. O comércio informal organizado, segundo Arismário, tem 300 ambulantes licenciados na Baixa dos Sapateiros; 200, na Calçada; 100 na Rodoviária, e 300, aproximadamente, no Comércio.

Antonio Magalhães, ex-empregado da Limpurb, trabalha com a venda de caldo-de-cana, desde 1993. Mora numa invasão, nos Barris, como ele mesmo diz, e paga R$ 3,00 ao dia, inclusive os domingos, para guardar sua máquina. “Para guardar a cana, pago mais R$ 20 ao mês, e tenho ainda o custo da gasolina com que a máquina é movida, cerca de R$ 10, semanais, além de outros R$ 10, para alguém raspar as canas. A soma somente com a estocagem da máquina e do produto alcança R$ 110 mensais”.

Em toda esta logística, no Centro da cidade, onde de segunda-feira a sábado ocorre o transito desses carregadores prestando tal serviço – crucial para o mercado informal – há, ainda, os “sacoleiros” a ostentar o quase-status de empresários, mesmo sem a incidência ou o pagamento de taxas ou impostos, e não disporem ou oferecerem direitos trabalhistas, de seguridade ou previdência, que abastecem esses camelôs com mercadorias oriundas do Paraguai, China ou Coréia do Sul, além de produções domésticas. Outra centena de trabalhadores sui-generis a compor renda nesse mercado de trabalho são os catadores de papelão. Carlos Américo dos Santos, 29 anos, duas filhas, trabalha de domingo a domingo. Diz faturar uma média de R$ 25 por dia. Mora na Saúde, não paga aluguel. Recolhe papelão apenas na avenida Sete e vende “para reciclagem” , no Gravatá e no Politeama, a R$ 0,15 o quilo,.

JOVENS SEM EMPREGO NA RMS

A RMS – Região Metropolitana de Salvador detém o maior índice de desemprego entre os jovens no país.  Segundo dados do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos) referentes a 2004 e divulgados em setembro último, para o Distrito Federal e regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, São Paulo e Salvador, o maior índice de desemprego entre os jovens aparece em Salvador (42,8%), e o menor, em Porto Alegre (29,3%). Nas seis regiões, o desemprego atinge mais as mulheres – em Recife, são 48,2% das jovens (contra 36,2% deles). O estudo é sobre um contingente de 1,6 milhão de jovens procurando trabalho em um universo de 3,5 milhões de desempregados. A pesquisa mostrou também que, no ano passado, a taxa de desemprego para os mais pobres foi de 67,1% na Grande Salvador.

Entre os milhares de subempregos criados pela globalização, desde catadores de papelão, vendedores de cartões telefônicos, CDs e DVDs pirateados na China, aos que comercializam relógios óculos de grau e esportivos replicados de griffes famosas com extremo requinte em alguns casos, bugigangas tantas, bijuterias mis e acessórios de fácil acesso para o adorno de vaidades femininas,– consolida-se o modelo neoliberal adotado no país. A busca pelo “ganha-pão” revela nesses procedimentos um exemplo cotidiano da mecânica social sob a engrenagem econômica da contemporaneidade.

 

Albenísio Fonseca é jornalista

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: