ABI PEDIRÁ “DESCULPAS” POR TER ADERIDO AO GOLPE DE 64

O professor e jornalista Nelson Cerqueira faz seu relato de época para um público diminuto, mas significativo, no auditório da ABI

 

ABI PEDIRÁ “DESCULPAS” POR

TER ADERIDO AO GOLPE DE 64

Albenísio Fonseca

A ABI-Associação Bahiana de Imprensa vai pedir “desculpas públicas” à categoria e à população por ter aderido (ou se mantido omissa) ao golpe de 1964. A decisão será tomada em reunião na próxima semana, três dias após a data (7 de abril) consagrada aos jornalistas.

A iniciativa foi anunciada durante o evento “Imprensa e Censura”, promovido pela entidade na manhã desta quinta-feira (3.04). A iniciativa envolveu depoimentos de Walter Lessa, Nelson Cerqueira, Emiliano José, Samuel Celestino e João Eurico Matta, sobre o golpe civil militar.

A proposta do “Mea Culpa” já estaria encampada por dirigentes como o presidente da ABI e diretor geral da Tribuna da Bahia, Walter Pinheiro, o vice, Ernesto Marques e o diretor Agostinho Muniz. À época, a associação era presidida por Ranulfo Oliveira, e tinha como diretores Jorge Calmon, também de A Tarde e Odorico Tavares, do Diário de Notícias.

Os dirigentes chegaram a publicar então, como matéria paga, uma convocação à sociedade para participar de ato público em homenagem ao golpe, programado para 17 de abril de 1964, conforme registro no livro comemorativo dos 50 anos da entidade, criada em agosto de 1930, pouco menos de um mês antes da Revolução deflagrada naquele ano.

DEPOIMENTOS

O repórter-fotográfico Walter Lessa narrou episódios sobre o governo Lomanto Júnior, empossado em 1963 e que se manteve no poder por adesão à ditadura, até 1967. O jornalista Nelson Cerqueira contou sobre sua trajetória no Jornal da Bahia e narrou ação de censura promovida por um oficial do Exército, poucos dias após a derrubada do presidente João Goulart, levando o jornal sair sem a manchete que anunciava um ato contra o regime, entre outras ameaças.

O professor e ex-deputado Emiliano José traçou toda sua trajetória de preso político e das torturas a que foi submetido, inclusive choques elétricos, no quartel do Barbalho. Mencionou nomes de torturadores como os dos coronéis Brilhante Ustra, Luiz Arthur de Carvalho e de desaparecidos como Gildo Macedo Lacerda, cunhado do jornalista Antonio Jorge Moura.

Ele citou, ainda, a estarrecedora declaração do general e presidente Ernesto Geisel (1974-1978) “nós precisamos continuar matando”, registrada no livro “A Ditadura Envergonhada”, de Élio Gáspari, e referiu-se à “crueldade do regime”, com base nos recentes depoimentos do coronel reformado Paulo Manhães às comissões da verdade do Rio de Janeiro e à federal.

Manhães revelou com detalhes as atrocidades cometidas contra prisioneiros do regime, como o corte dos dedos para “apagar” digitais; desfiguração de faces para não ter a arcada identificada e pedras amarradas aos corpos, de modo meticulosamente estudado para que não afundassem ou emergissem.

Emiliano José criticou, do mesmo modo, a cumplicidade dos jornais à época, “à exceção do Última Hora”; a adesão da CNBB à ditadura, embora ressaltando as ações de enfrentamento levadas a efeito pelos bispos Dom Helder Câmara, dom Pedro Casaldáliga e dom Waldyr Calheiros de Novaes. Para finalizar com a assertiva: “Não sou eu quem registra, é a história”.

Samuel Celestino, por sua vez, contou sobre o episódio em que estudantes de Direito foram presos, no início do fatídico abril de 1964 e lembrou o silêncio adotado pelo orador da turma de colação de grau, depois também jornalista, Gilson Nascimento, em meio às ameaças de agentes do Exército.

O presidente da ABI, Walter Pinheiro relatou situação envolvendo teaser criado pelo chargista Hélio Lage para o lançamento do suplemente “A Coisa” e que envolvia um vaso sanitário sob o texto “A Coisa vem aí”, editado ao lado de uma manchete com Ernesto Geisel chegando a Salvador.

O diretor da Tribuna teve que ir dar explicações ao SNI-Serviço Nacional de Informações, no estado. João Eurico da Matta também deteve-se em análises sobre o governo Lomanto Júnior e revelou decisão da Câmara Municipal de Chorroxó (a 510 km de Salvador) em recusar proposta de título de cidadania ao general-presidente, Emílio Garrastazu Médici, já em 1970. ###

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: