Biblioteca Central tenta sair do caos

                                                                                                                                                   Foto: Albenísio Fonseca

Aos 205 anos, Biblioteca Pública vive piores transtornos

ALBENÍSIO FONSECA

O cenário de abandono – com ar-condicionado quebrado, grades oxidadas, falta de assinaturas de periódicos e setores funcionando precariamente – que passou a incidir este ano sobre a Biblioteca Central, nos Barris, está com os dias contados. É o que garante Zulu Araújo, diretor-geral da FPC-Fundação Pedro Calmon, instância da Secult-Secretaria Estadual de Cultura, à qual a Biblioteca está subordinada. Na última quinta-feira ele assinou contrato para o conserto do sistema de climatização ao custo de R$ 200 mil, verba de custeio liberada em caráter de urgência pela Sefaz-Secretaria Estadual da Fazenda através da Secult. Segundo Zulu, “a central de ar – tecnologia mais avançada à época – foi instalada há 20 anos e não permite funcionamento em setores isolados, acarretando enorme custo de energia nos finais de semana quando apenas um dos setores está em funcionamento, além da própria defasagem do artefato”.

Conforme Araújo, “o conserto do ar será realizado com a biblioteca em funcionamento, afim de que no Verão o problema esteja sanado”. Defendeu a necessidade de implantar um novo sistema de ar, mas lamentou que “um equipamento que atenda a todas as exigências técnicas tenha custo estimado em cerca de R$ 1 milhão”. Ele adiantou, todavia, “projeto para captação de energia solar como fonte alternativa de energia”. Quanto às assinaturas de periódicos, assegurou que em janeiro já estarão regularizadas; avaliou tratar-se de “algo momentâneo em razão de os novos contratos dependerem de processo licitatório”, mas que “o empenho dos recursos para isso já foi efetuado”. Ao desmitificar a concepção de que o segundo maior equipamento cultural do estado (o primeiro é o Teatro Castro Alves) tenha sido transformado em um complexo – na medida em que abriga, além da própria biblioteca em si, o Espaço Xisto Bahia, Galeria Pierre Verger e as salas de Cinema Walter da Silveira e Alexandre Robatto – Zulu assegurou que “isto não chegou a ocorrer de forma organizada, institucional, em que pese ter permanecido com programações desarticuladas”.

Ele disse da posse da nova diretora da Biblioteca Pública, Lívia Freitas, em 25 de novembro e adiantou a realização de convênio com a Faculdade de Arquitetura da UFBA, visando adequações arquitetônicas e espaciais, além da aquisição de mobiliário mais confortável para os usuários junto à empresa 3M, com expertise na área de bibliotecas, ao acenar com nova concepção de funcionamento e gestão, a de “biblioteca-parque”. Para qualificar a iniciativa, a FPC traz a Salvador em janeiro, para uma palestra, a filósofa Vera Saboya que esteve à frente do desenvolvimento de uma nova política de leitura no estado do Rio de Janeiro entre 2009 e 2014. Vera é apontada como uma “profissional focada em resultados, com larga experiência em administração, comércio, franquias, planejamento estratégico e análise na área da cultura”.

Ideia é converter espaço em um polo cultural

O conceito contemporâneo de biblioteca, já adotado por vários desses equipamentos em alguns estados do País, consiste em “espaço adaptado, não apenas para garantir livre acesso à informação, leitura, pesquisa ou realização de deveres escolares, mas enquanto polo de atividades culturais, informações e lazer, ambiente de convivência e convergência, que fomentem o desenvolvimento de linguagens e promovam a produção de conteúdos e técnicas em base multimídia, impressa, audiovisual e digital, além de buscar ser um lócus para encontros e desenvolvimento de atividades conjuntas”.

Conforme documento que conceitua a conversão, a biblioteca parque envolve, ainda, “oferta diária de diversas modalidades de oficinas, cursos, seminários, workshops de formação e capacitação; cursos livres (abertos a todos) de curta e média duração, voltados a ampliar o escopo da leitura, da literatura e do conhecimento. Aliás, destinados não apenas a educadores, professores, bibliotecários, agentes e mediadores de leitura, mas, sobretudo, para o público em geral”. Entusiasmado e tendo 2018 como horizonte, Zulu reforça o propósito estipulando a “criação de áreas temáticas para crianças e pessoas especiais (cegos, surdos, mudos), com o conforto de atividades culturais agregadas à função precípua do estímulo à leitura”.

Para garantir a consolidação da iniciativa, o diretor da FPC diz ser “fundamental a criação da Associação de Amigos da Biblioteca”, ainda sem caráter jurídico definido, mas visando uma gestão compartilhada no futuro. Um edital visando a implantação da entidade, segundo ele, será lançado no primeiro semestre de 2017. “O objetivo é obter apoio de setores da sociedade e recorrer a programas de estímulo como a Lei Rouanet, o FazCultura e mesmo à articulação junto à Assembleia Legislativa visando à proposição de emendas de bancadas que possibilitem o levantamento de recursos da ordem de R$ 10 milhões, ainda que em etapas”.

Prestes a assinar portaria criando uma comissão interna que vai gerir o plano de trabalho a ser cumprido, Zulu garante já dispor de uma “lista com 20 nomes de celebridades baianas que passaram pela biblioteca”. Ele mencionou a presidente da Academia de Letras da Bahia, Evelina Hoisel; o próprio secretário de Cultura, Jorge Portugal, além de citar outros envolvidos na tarefa de resgatar a estrutura física e organizacional do equipamento, como o arquiteto Nivaldo Andrade e Armando Almeida, ex-assessor especial do MinC-Ministério da Cultura nas gestões de Gilberto Gil e Juca Ferreira durante os governos de Lula da Silva e Dilma Rousseff.

Conforme o dirigente cultural, “precisamos criar uma ação macro para corresponder aos 17 mil m² de área construída da Biblioteca Central”. Com 205 anos de criada e há 46 ocupando a enorme área nos Barris, como se diria de um elefante branco, o equipamento não dispõe de orçamento específico e a própria FPC, como de resto as demais instituições culturais baianas, vive as agruras da crise econômico-financeira que atravessa o Brasil, sob os limites dos contingenciamentos determinados pelo Executivo sobre os recursos estaduais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: