Violência na TV

foto

Violência na TV

Albenísio Fonseca

O “il mondo cane” das metrópoles pode servir ao sensacionalismo barato e perverso que motiva uma audiência. Mas há um limite de tolerância à falta de ética e respeito a princípios consagrados à pessoa e ao exercício da profissão, que recusam como jornalismo a abordagem na forma de interrogatório torturante, utilizado por supostos repórteres, nos programas de tevês sobre a violência, como método de intimidação ao direito de ampla gama de miseráveis – oh! Victor Hugo.

Programas que atentam, com a crueldade dos seus fatos, para o bem estar social, e sob a complacência permissiva das autoridades policiais e jurídicas. “Comunicadores”, radialistas (?),  a usar do livre direito de expressão da nossa tênue democracia, para replicar a violência seriada; o escabroso, como sedução. A adotar métodos coercitivos, sentenciando, antes de qualquer veredito.

As emissoras – concessão pública, diga-se – a dispor em suas grades de programação de tribunais de inquisição da correição pública, a espetacularizar a violência do drama contemporâneo. Cuja antípoda, suposta justificativa, pasme, é, evidentemente, a moral social e os bons costumes.  E eis que se consagram à luz do Dia.  

“Tem jornal popular que
nunca se espreme porque pode derramar.
É um banco de sangue encadernado,
já vem pronto e tabelado,
é somente folhear, e usar”

Dos anos 60 da Tropicália, de Tom Zé, desenvolvemos (!) do ponto de vista mesmo de uma História da Imprensa – oh! Gutemberg –  para uma ação de mídia televisiva em escala de alcance massivo extraordinária. Mas, para que? Para atender ao gosto popular mais relés? À sede pela barbárie que inunda o cotidiano? O baixo instinto da platéia, a ser saciado pelo dantesco? O estupor tornado em prazer? A desgraça como deleite? Filmes de violência requerem horários de exibição. O real, em sua face mais cruel, psiquiátrica, digamos, ferindo o Estatuto da Criança e do Adolescente, não? 

Ser visto é tão humano quanto ver, dirias – oh! Dante – no inferno da vida banalizada. A Justiça titubeia. Restringe-se à ação pontual. Convertido numa espécie de horário nobre do terror, os programas devem, ao menos, sair do meio-dia. Ampla programação cultural no Brasil só é exibida em altas horas, inacessíveis ao grande público, incompatíveis com um compromisso público pela cultura, pelo avanço das “tecnologias” da consciência cidadã.

O “fenômeno” desses programas não é apenas baiano. No balanço geral, temos na mira que falta ao País um projeto de Nação, e desde há muito. Adepto da democracia, da qualidade, do bom senso e do respeito ao direito e à dignidade do ser humano, sou totalmente avesso à censura, ao totalitarismo, à violência e à criminalidade – oh! Newton. Defender uma tevê comprometida com reais valores civilizatórios nos faz clamar que os procuradores convençam mesmo aos juízes – sob o espírito das leis – oh! Montesquieu – a passarem o rodo nesse tipo de pretenso entretenimento.

—————————————
Albenísio Fonseca, jornalista


Anúncios

Festival de Arte Negra

foto

Arte Negra,

entre a força e o charme

Albenísio Fonseca

Enquanto 150 entidades baianas, lideradas pelo Núcleo Cultural Niger Okan, fazem força para por o pé na África, e criaram, no final de março, o Comitê Baiano Pró-3ºFesman – Festival Mundial de Arte Negra/ 2009, a acontecer durante todo o mês de dezembro em Dacar, Senegal, o Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura, faz charme.  Mesmo com o MinC já  tendo delegado, em portaria, à Fundação Palmares a organização da delegação brasileira, nenhuma outra medida foi adotada, por esta e pela Secult, até então, para definir a representação brasileira, e baiana, em especial, no evento. O Brasil é o país convidado de honra desta terceira edição do Festival, a ser lançado oficialmente, em terras brasileiras, dia 25 de maio, em Salvador, com as presenças do presidente senagalês, Abdoulaye Wade,  e do  embaixador  do Senegal no Brasil, Fodé Seck.  O ministro da Cultura, Juca Ferreira, e o presidente da Fundação Palmares, Zulu Araújo, participaram, no início de março, da cerimônia de lançamento do 3 º Fesman, em Dacar. No evento, o escritor Abdias Nascimento foi condecorado pelo presidente do Senegal com o diploma de “Embaixador de Boa Vontade do Fesman”. O presidente Abdoulaye externou, inclusive, o desejo de proferir palestra para empresários brasileiros, sobre as possibilidades de intensificar o comércio bilateral.

Patrimônio da humanidade, desde 1978, a ilha de Gorée naquele país, foi um entreposto de escravos, de onde negros africanos eram confinados antes de serem enviados em navios para o Brasil. O Senegal foi libertado do domínio francês em 4 de abril de 1960, sob a liderança do poeta Leopold Senghor, falecido em 2001. 

O governo do Senegal mobiliza uma grande estrutura para sediar o encontro, com espaço de 40 mil m², em Dacar, onde são construídos palcos e salas para apresentações dos espetáculos culturais. Serão erguidas, ainda, cerca de mil tendas para abrigar os cinco mil artistas convidados. Novos prédios são construídos e outros reformados, além do treinamento de oito mil técnicos senegalenses para trabalharem na infra-estrutura do festival.

Os organizadores prevêem a participação de 50 mil convidados estrangeiros, além do envolvimento de um público local estimado em um milhão de pessoas. Para a cerimônia de abertura do Festival se espera a presença de 400 mil pessoas.

O Fesman tem sido um momento relevante para performance e reflexão sobre a contribuição da cultura e estética negra no mundo – tão fundamentais quanto a grega –  e a cerca da resistência à violação dos direitos civis na África e nos países da diáspora. O que artistas e representantes de entidades da sociedade civil defendem, em Salvador,  é a transparência democrática nos critérios de seleção e dotação orçamentária para a participação da delegação brasileira no grandioso evento. Correspondência neste sentido, ainda sem resposta, já foi encaminhada pelo comitê baiano à Fundação Palmares.  

——————————
Albenísio Fonseca, jornalista